Smart Farm AgroBit 2019

Um verdadeiro campo experimental

Smart Farm AgroBit 2019

 

A Vila Tecnológica Smart Farm Agrobit terá a participação de startup`s da Argentina e de seis Estados do país – Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro e Mato Grosso -, totalizando 40 projetos selecionados e três empresas juniores. O espaço faz parte do Agrobit Brasil 2019, com agenda para os dias 12 e 13 de novembro, no Parque de Exposições Ney Braga, em Londrina (PR).

A 2ª edição da Smart Farm reproduzirá a atividade rural apresentando novidades tecnológicas de startups e da agroindústria, sendo uma vitrine e um campo experimental para o setor. Na vila podem ser vistos projetos diversificados voltados para a cadeia leiteira, produção de grãos, aumento de produtividades, nutrição, utilizando tecnologias diversas como IoT, drones, entre outros.

O produtor rural terá a possibilidade de verificar os resultados in loco, conhecendo a evolução do ecossistema de Inovação Agro da região de Londrina, do Paraná e de estados participantes.O Agrobit Brasil 2019 é um evento em que a necessidade do produtor rural se conectará com as soluções mundiais mais inovadoras para o campo. Informações pelo site www.agrobitbrasil.com.br

AgroBit é fruto do ecossistema instalado em Londrina

O Paraná é um estado que vem despontando no ranking de Agtechs. De acordo com estudos realizados pela Associação Brasileira de Startups (ABS), a região sul do país se destaca pela representatividade quando o assunto é presença de startups que trabalham com o agronegócio. O Estado possui  em torno de 10% das AgTechs brasileiras. 

Londrina está na rota deste desenvolvimento e também é destaque no Estado. E não é à toa. A cidade é considerada a 13º mais empreendedora do país e a 7ª com melhor ambiente regulatório para o empreendedorismo.  Possui 20 cursos técnicos em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e Engenharias;  55 cursos de graduação em TIC e Engenharias;  51 cursos de especialização em TIC e Engenharias; e quatro mestrados e dois doutorados em TIC e Engenharias.

A Governança do APL de TIC foi constituída há mais de 13 anos e é referência para a estruturação dos demais APLs em formação, como os de  Agronegócio, Saúde, Eletrometalmecânico, Químicos e Materiais, Construção Civil e Audiovisual.

É neste contexto que foi criado e a cidade irá sediar a segunda edição do Agrobit Brasil nos próximos dias 12 e 13 de novembro. O evento foi idealizado e é realizado e organizado pela Sociedade Rural do Paraná, Sebrae-Londrina, Londrina Convention Bureau e F&B Eventos, e deve reunir mais de dois mil produtores, profissionais e líderes do agronegócio nacional e internacional com discussões, demonstrações, integrando os elos da cadeia agro com o objetivo de acelerar processos, resultados e melhorando a rentabilidade do produtor.

“O Agrobit traduz para o produtor, para os empresários rurais, toda a renovação em tecnologia que vem sendo desenvolvida em nossa região, no país e no mundo. É uma oportunidade de democratizar o acesso a essas inovações que estão sendo desenvolvidas voltadas ao agronegócio. Também coloca Londrina no calendário nacional de eventos relevantes para o agronegócio e ajuda a envolver outros parceiros, outras empresas que não estavam trabalhando com essa proposta”, comenta Lucas  Ferreira, gestor estratégico de Startup e Agritech do Sebrae.

O ecossistema de inovação do Agro existente em Londrina passa pelo Parque de Exposições Ney Braga, sede da SRP. Em 2016, a entidade realizou, dentro da programação da ExpoLondrina, o 1º Hackathon do agro, que vem se repetindo desde então em todas as edições da exposição. Em 2017, além do Hackathon, a ExpoLondrina inaugurou o Pavilhão Smart Agro, com expositores da área de tecnologia e realização de dezenas de eventos; e também inaugurou a Aceleradora Go Agrotech. O processo não parou de avançar, e em 2018 vieram a SRP Coworking, e o primeiro Agrobit.

Para este ano, já foi confirmado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o lançamento, durante o Agrobit, do Polo de Inovação do Agro de Londrina, decisão baseada no ecossistema existente na cidade e que reúne vários atores, como Universidade Estadual de Londrina, Embrapa, Iapar, Sebrae, grandes cooperativas, startups.

“O ambiente tecnológico de Londrina é reconhecido nacionalmente. Nosso diferencial é a união entre os atores desse ecossistema. Portanto, a cidade merecia a realização de um evento como o Agrobit, que reúne pessoas e empresas de várias partes do país e do mundo para dois dias de troca de informações e uma excelente oportunidade para networking”, comenta Daiana Bisognin, diretoria da F&B Eventos.

A integração da chamada tríplice hélice - interações universidade-indústria-governo – na cidade vem rendendo bons frutos há algum tempo, com a instalação do  Escritório Regional do CTI Renato Archer; da Unidade da ABDI denominado RENAPI; do primeiro Laboratório de Prototipagem em três dimensões do Sul do País; da Incubadora Santos Dumont – Parque Tecnológico de Itaipu; e Instalação do Hub de Inteligência Artificial – SENAI Londrina.

A cidade não para. São realizados dezenas de eventos focados em startups em geral  todos os anos. Existem na cidade, atualmente, cinco programas de pré-incubação e dois de incubação;  um programa de aceleração e um espaço Maker; além da Comunidade Redfoot com relevância nacional no Startup Awards – nos últimos dois anos ficou entre as dez comunidades mais importantes do Brasil.

“Estamos trilhando, há anos, um caminho que vem se solidificando. Não aconteceu da noite para o dia, foi fruto de muito trabalho e comprometimento, e temos muito ainda a avançar. Estamos no caminho certo”, comenta Antonio Sampaio, presidente da SRP.